22 de março de 2009

Ressucitando com Jesus


21.03.2009
Culto : Sede (Santa Ceia)
Pregação : Pastor Nilton

"E, desde a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra, até à hora nona. E, perto da hora nona, exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lemá sabactâni, isto é, Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? E alguns dos que ali estavam, ouvindo isso, diziam: Este chama por Elias. E logo um deles, correndo, tomou uma esponja, e embebeu-a em vinagre, e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber. Os outros, porém, diziam: Deixa, vejamos se Elias vem livrá-lo. E Jesus, clamando outra vez com grande voz, entregou o espírito. E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras. E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados; E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele, entraram na Cidade Santa e apareceram a muitos. E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor e disseram: Verdadeiramente, este era o Filho de Deus." Mt 27.45-53

A consumação de nossa salvação em Cristo Jesus, resume-se em Mateus desta forma.Podemos ler que a natureza protestou e se manifestou quando Deus em carne morreu naquela cruz.


A nossa grande vitória na verdade veio a seguir, nos próximos versículos. Quando Jesus ressucitou, pois cremos em um Jesus vivo e não crucificado. Pastor Nilton, nesta pregação enfatizou esse aspecto, que a Santa Ceia é uma festa, uma celebração a este evento que Jesus RESSUCITOU com toda glória. E hoje celebramos em memória Dele a Santa Ceia, uma Festa para o povo remido e justificado pelo seu sangue.

Quando Jesus entregou o seu espírito, o Véu foi rasgado de cima para baixo, nos dando acesso completo ao Nosso Deus.
E os sepulcros se abriram e os santos que dormiam em Cristo foram ressucitados com este evento. Pastor Nilton nos levou uma uma reflexão profunda, sobre oque precisa ressucitar em nossas vidas. Você já pensou nisso ? Se há algo que morreu em nós ?
Posso citar alguns pontos que foram comentados no culto.

A SANTIFICAÇÃO precisa ser ressucitada em nós ?
O PRIMEIRO AMOR ?
A COOPERAÇÃO ?
AS LÍNGUAS ESTRANHAS ?
A CONVICÇÃO ?

É realmente dia após dia precisamos nos certificar de não perdermos contato com estas coisas preciosas.

Abaixo, vou postar um estudo pequeno sobre a ressurreição de Cristo para quem quer arquivar. Deus abençoe a todos.

-------------------------------------------------------------------
Hoje nós estamos comemorando a paixão de Cristo como é chamada. Isso mesmo! Nós estamos comemorando a sua morte. Comemorando o dia em que Jesus Cristo morreu. Este dia é muito alegre para nós cristão. É o dia em que lembramos o que nosso salvador fez por nós. Entregando-se para nos livrar da morte eterna. Nos dando prazer em viver. Em adorar a Deus. Porque Ele abriu o santo dos santos para entrarmos nele e estarmos na presença do Pai Celestial. Vejamos mais de perto o que Jesus fez para comemorarmos este dia maravilhoso.
O dia da crucificação de Jesus é um marco na história da humanidade. Foi na cruz que o Bom Pastor, Jesus Cristo deu sua vida pelas suas amadas ovelhas. Jesus tinha sido levado para o Calvário. Ele foi pregado na cruz e levantado. As pessoas que iam passando blasfemavam dele, balançando a cabeça (Mt 27.39), desprezando-o. Ele é morto como um criminoso. Alguém maldito. Ele foi morto e ninguém dava a mínima. Porém, aquele que estava na cruz não era qualquer um, Ele era o Filho do Deus altíssimo.
Irmãos, nosso texto mostra as últimas horas da vida de nosso Senhor Jesus. É um pequeno texto, porém, riquíssimo para dar conforto aos cristãos de todas as épocas e lugares. O verso 45 diz: “Desde a hora sexta até à hora nona, houve trevas sobre toda terra”. O texto diz que Jesus foi Crucificado ao meio dia. E sua agonia só terminou ás três horas da tarde. Durante este período de tempo, o Senhor Jesus Cristo sofreu mais do que durante toda a sua vida na terra.
Quando o Senhor Jesus Cristo foi crucificado ao meio dia, provavelmente era um dia de sol sem nenhuma nuvem no céu. Um dia ensolarado. Mas, ao meio dia houve trevas sobre toda terra”. Por que a Bíblia faz questão de mencionar isto? Para mostra que não era um acontecimento simples o que estava acontecendo. Pois era a morte do Filho de Deus, Jesus Cristo. Além do mais, ao meio dia é o horário que o sol está mais forte. E provavelmente, não havia nenhuma nuvem nos céus. Porém, de repente o céu claro se tornou em densas trevas. As pessoas ficaram pensando até que o mundo estava acabando. Todo o país ficou debaixo de uma escuridão amedrontadora. De uma hora para a outra o tempo mudou. Passou de um dia claro para um dia de escuridão. Mas, por que ficou escuro? Tem algum significado isto na Bíblia? Ficou escuro porque o Filho de Deus estava sendo crucificado. Ele ficou pendurado no madeiro durante três longas horas sofrendo. Sofrendo pelos pecados dos seus escolhidos. Ele como o bom Pastor entregou sua vida por amor de seu povo.
As trevas tem um significado importante na Bíblia. Porque as trevas mostra o Dia do SENHOR. O Dia do SENHOR na Bíblia é descrito como um dia de sofrimento para os pecadores inconversos. Pessoas que não querem servir a Deus, mas vivem se rebelando contra o SENHOR. Amós 8.9 diz: “Sucederá que, naquele dia, diz o SENHOR Deus, farei que o sol se ponha ao meio-dia e entenebrecerei a terra em dia claro”. Este texto fala do juízo do SENHOR sobre Israel. O povo não estava guardando as ordenanças do Senhor. O SENHOR disse a Amós: “Chegou o fim de Israel, o meu povo; não mais o pouparei. Naquele dia, declara o SENHOR, o Soberano, as canções no templo se tornarão lamentos. Muitos, muitos serão os corpos, atirados por todos os lados! Silêncio! Ouçam, vocês que pisam os pobres e arruínam os necessitados da terra, dizendo: Quando acabará a lua nova para que vendamos o cereal? E quando terminará o sábado para que comercializemos o trigo, diminuindo o preço, enganando com balanças desonestas e comprando o pobre com prata e o necessitado por um par de sandálias, vendendo até palha com o trigo?” (Am 8.2-6). Amós está mostrando ao povo que o dia do SENHOR é dia trevas. É um dia de julgamento e castigo para os rebeldes. Naquele dia, o SENHOR derramará sua ira sobre os incrédulos. O profeta Amós também tinha dito ao povo: “Ai de vós que desejais o Dia do SENHOR! Para que desejais vós o Dia do SENHOR? É dia trevas e não de luz”. O Dia do SENHOR é trevas, porque naquele dia será castigado os ímpios.
Lembrem-se da nona praga do SENHOR sobre o Egito. O SENHOR estendeu a mão sobre o Egito de tal maneira que o país ficou escuro. As pessoas passaram três dias sem sair de casa e nem se levantar. Porque ninguém conseguia ver nada. As trevas foi o julgamento do SENHOR sobre os egípcios, porque Faraó não deixou o povo ir adorar ao SENHOR. Ezequiel 30.3 diz: “Porque está perto o dia, sim, está perto o Dia do SENHOR, dia nublado; será o tempo dos gentios”. Este é o dia de julgamento. E foi exatamente este dia que chegou na crucificação de Jesus. O julgamento e castigo de nossos pecados.
O dia do SENHOR é um dia trevas sobre a terra. Porque Ele estará castigando os rebeldes. E na morte de Cristo, Deus estava castigando Jesus Cristo em nosso lugar. Ele se fez pecado por nós. Ele se fez maldito por nós (Gl 3.13). Assumiu o nosso pecado e carregou sobre si o castigo destinado a nós. Deus não estava olhando para seu Filho como alguém santo. Mas, estava olhando para ele como um pecador maldito. Assim como Deus odeia o pecado e castiga-o, assim Deus não pôde olhar com amor para o seu Filho. Porque ele se fez pecado por nós. Ele na cruz carregou todos os pecados de todos os eleitos de Deus sobre si, como diz Isaías 53.4-6: “Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassados pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos”.
Isso foi o que Cristo sentiu durante toda sua vida. Durante toda sua vida ele levou sobre si os nossos pecados. A sua vida inteira foi uma vida de entrega total a Deus. Ele se encarregou de sofrer o nosso castigo. Seu Pai o castiga em lugar dos pecadores. A ira de Deus caiu sobre Ele. Ele tem que suportar o peso da ira de Deus sobre sua carne e espírito como o castigo pelos pecados de todos os pecadores do mundo que são seus eleitos. Os meus e os seus pecados estavam também naquele momento sendo castigado.
No verso 46 mostrar a angústia de Jesus sendo castigado. Ele grita muito alto: “Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. Este versículo é citado do Salmo 22. Davi clamou por Deus em meio ao sofrimento. Ele tinha sofrido terríveis angústias e tormentos em alto grau. Ele olha todo seu estado de angústia e sofrimento, vendo os seus adversários atribulando-lhe. Mas, ele não vê nenhum sinal de que Deus irá livrá-lo da angústia. Parece que Deus esqueceu dele. Porém, Deus estava com Davi. Mesmo em meio de sofrimentos, ele diz que o SENHOR o ouviu quando ele gritou por socorro. Esse foi o conforto de Davi. Por causa de sua natureza fraca e pecaminosa, ele ficou em desespero. Porém, por causa da sua fé, ele conseguiu permanecer firme confiando no SENHOR. E aprouve ao Espírito Santo usar essas mesmas palavras para expressar o sofrimento do nosso Senhor Jesus Cristo.
A vida de Jesus que é uma entrega pelos nossos pecados, culminou na sua morte na cruz. O sofrimento foi tão grande que gritou por Deus. Esse brado de Cristo quer mostrar alguma coisa. Pois durante toda sua vida ele sofreu. Ele veio para o seu povo, mas o seu próprio povo o rejeitou. Não creram em suas palavras e nem em seus sinais. Antes o rejeitaram. Escarneciam dele. Diziam que Ele estava possuídos por demônios. Foi considerado como falso profeta. Foi traído por um dos seus discípulos por trinta moedas de prata. O preço pago por um escravo. Foi tratado como algo sem valor. Seu discípulo que disse que nunca o negaria, o negou na primeira tentação. Os outros fugiram com medo de serem presos e morrerem. Foi preso e arrastado pelos soldados. Foi espancado na cabeça e colocado uma coroa de espinho na cabeça até que saísse sangue. Foi motivo de zombaria e escárnios por todos. Sozinho sofreu. Nenhum dos seus amigos estavam ali para o encorajar. Foi julgado inocente, mas foi condenado a morte. Porque seu próprio povo preferiu libertar um assassino, em vez dele. Depois de ter sido chicoteado até sangrar a ponto de quase morrer. Sozinho, desamparado, não abriu a boca. Como uma ovelha muda foi levada perante os seus tosquiadores.
Depois de tamanha desonra, ainda teve que levar a cruz em que iria morrer. Teve que carregá-la até ao lugar de sua morte. Ele se tornou um verme e não um homem. Foi considerado como algo desprezível. Ninguém o reputava como gente, mas como malfeitor que merecia ser crucificado. As pessoas foram para ver a sua morte. Para aquelas pessoas era um espetáculo a morte de Jesus, o Nazareno. Ele tinha que morrer pelos seus crimes hediondos. O espetáculo já estava pronto. Ele foi deitado sobre a cruz e os soldados começam a cravar os pregos em suas mãos. Em seguida em seus pés. Mas, ele não abriu a boca. Ele é erguido à vista de todos. Fica exposto a todos os que passam pela estrada. Aqueles que passam balançam a cabeça e zombam. Os soldados também zombam e até deitam sorte sobre suas vestes. E os judeus, ficam também zombando, dizendo: “Salvou os outros, a si mesmo não pode salvar-se. É rei de Israel! Desça da cruz, e creremos nele” (Mt 27.42). Mesmo sofrendo e sendo rejeitado, o Senhor Jesus Cristo continua mostrando seu amor. Orando para Deus não imputá-lhe aquele pecado (Lc 23.34). Percebendo que ao Seu lado havia uma ovelha sua e dizendo as palavras mais belas que aquele malfeitor havia ouvido: “Hoje mesmo estarás comigo no paraíso” (Lc 23.43).
Tudo isto suportou como ovelha muda. Porém, no último ato de sua vida, ele gritou e disse: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. Este é o grito agonizante de Jesus. O que Cristo sofreu naquela cruz, não se pode explicar. Não há palavras para exprimir seu últimos instantes de vida. Porque naquele momento as trevas que cobriu o país, “significaram juízo, o juízo de Deus sobre os nossos pecados, Sua ira como se ardesse no coração do próprio Jesus, de tal modo que ele, como nosso substituto, sofreu a mais intensa agonia, uma dor indescritível, uma solidão e um abandono terríveis. Naquele dia o inferno veio ao Calvário e o Salvador a ele desceu e sofreu seus horrores em nosso lugar, por nós”. Quando Ele estava na cruz o Seu Pai amado virou as costas para Ele. Ele ficou sozinho. Os seus discípulos e amigos já tinham o abandonado. E agora é o Seu Pai que o abandona. O Seu Pai não está olhando mais para Ele. Mas o deixa sozinho para sofrer as angústias e o tormento do inferno. Ele foi desamparado por seu Pai para nos amparar. Para nos dá vida em abundância.
Enquanto os guardas ficam zombando do brado de Cristo na cruz dizendo: “Ele chama por Elias. Deixa, vejamos se Elias vem salvá-lo” (Mt 27.47, 49). Jesus Cristo dá mais um grande grito e morre (Mt 27.50). Mas, essa não foi uma morte qualquer. Foi a morte do Filho do Deus bendito, que foi assassinado por homens cruéis e ímpios. Satanás pensou que tinha vencido o Cristo. Usou de todas as suas artimanhas para matar o Filho de Deus e quando pensava que conseguiu, descobre que apenas contribuiu para os planos de Deus para salvar a humanidade mergulhada no pecado e perdição.
Irmãos, Jesus entregou sua vida por nós. Ele mesmo quis ser nosso salvador. Em João 10.17-18 diz: “Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai”. Ele próprio já tinha dito que ninguém poderia tirar sua vida sem que Ele quisesse. Por isso Ele depois de dizer que estava tudo consumado (Jo 19.30), Ele entregou seu espírito nas mãos do seu Pai (Mt 27.50). Ele consumou, terminou a missão que o seu Pai confiara em suas mãos de ser nosso Salvador. Como Isaías 53.12 diz: “Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu”. E também Mateus 20.28, comprova que Ele veio para “dar a sua vida em resgate por muitos”.
Irmãos, nós estávamos lá. Nós estávamos lá naquela cruz, sendo crucificados junto com Jesus Cristo. A nossa vida e salvação estavam e estão naquele ato redentivo de Jesus Cristo na cruz. Os tormentos e as angústias do inferno veio até Jesus. Ele ali sofreu tudo por nós. Nosso destino estava no Calvário. Não houve outro meio de Deus perdoar nossos pecados. O pecado tinha de ser punido. Nós desonramos a Deus e fomos punidos por Deus EM Cristo. Isso é muito importante irmãos. Nós somos salvos EM Cristo. Quer dizer, fora de Cristo Jesus, não HÁ salvação. Fora do ato redentivo de Jesus Cristo na cruz do calvário, NÃO HÁ esperança para nós. Hoje nós comemoramos a morte de Cristo. Não simplesmente porque Ele morreu. Mas, pelo que Ele fez por nós. A morte dele não foi uma morte vazia e em vão. Mas é a redenção da criação de Deus. Para os descrentes a palavra da cruz é loucura, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus (1 Co 1.18). Para o mundo é apenas mais uma data festiva qualquer. Mas, para nós significa a salvação. A reconciliação com Deus. Um Deus que estava irado com nós pecadores. O grito da agonia de Cristo na cruz é o grito da nossa salvação. Graça a nosso salvador que resolveu ficar em nosso lugar.
Você hoje tem a vida eterna, porque foi Cristo que te deu esta nova vida através do seu sangue derramado no calvário. Morreu e ressuscitou no terceiro dia para mostrar que ele tem o domínio sobre a morte e o inferno. Nos dando a vida eterna.
Amém.


Dracmas - Continuação ...


17.03.2009
Culto : Sede
Pregação : Pastor Nilton

Pastor Nilton continuou a pregação das Dracmas perdidas. Você pode encontrar o resumo do início da mensagem nos post anteriores do blog, ou clique aqui.

"Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar? E, achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida. Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende." Lucas 15.8-10

Continuamos a meditar quais as dracmas valiosas em nossa vida que temos perdido ?


Pastor Nilton falou de mais algumas Dracmas que ás vezes temos perdido em nossa vida.
Dracma da Santidade - A santidade nada mais é, do que a separação do cristão do mundo. Temos que nos santificar interiormente e exteriormente também, temos que ter a mente de Cristo. Temos que santificar os nossos olhos e nossas bocas.
Bíblia diz em 1 Pedro 1:15 “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em todo o vosso procedimento.”
Temos perdido esta dracma em nossas vidas ? Quem não é santo, não verá a Deus a Bíblia diz. Tudo oque nos contamina e nos faz perder a santidade, devemos cortar de nossas vidas.

Dracma da Vigilância - Temos que vigiar para não ser pegos desprevenidos. Se estivermos desligados vamos ser enganados. Devemos estar com os olhos fixos nas promessas de Cristo, vigiando em todo tempo. Vigiando e Orando conforme a própria Bíblia nos diz. Senão vigiarmos vamos cair em tentação, porque nossa carne é fraca.
Mt 26:41;” Vigiai e orai,para que não entreis em tentação; o espírito na verdade está pronto,mas a carne é fraca’’.

Dracma da Cooperação - Muitas pessoas tem perdido o desejo de cooperar na obra de Deus. Não dizimam, nem ofertam, não se dispõe para nenhuma atividade, não se alegram mais em fazer nada em favor da obra de Deus. Devemos cooperar amados, Deus nos deu talentos naturais para poder cooperar no que podemos. Leia o post sobre o "Dono do Jumento" no blog e veja como cada um pode cooperar para levar Jesus de um lugar para o outro. Vamos achar esta dracma novamente e cooperar na obra de Deus.

Dracma do Testemunho - Esta dracma é de extrema importância que não percamos. Como podemos confessar que Jesus está em nossa vida se nosso testemunho não é esse. Testemunhamos das coisas que Jesus fez em nossas vidas? Lá no trabalho, na escola, no círculo de amigos...como estamos testemunhando o salvação de Jesus em nossas vidas ?
Muitas vezes nos comportamos como cristãos somente dentro do templo nas horas de culto. Fora da igreja somos iguais ao mundo, sem testemunho nenhum para as pessoas poderem ver.
A melhor pregação ainda é o testemunho.

Dracma da Convicção - Ás vezes não temos esta dracma em nossa vida. Não temos convicção das promessas que Jesus nos deixou. E isso dá margem que o inimigo nos confunda. Que ensinamentos errados criem raízes em nossos corações. Na armadura de Deus descrita em efésios, me chama atenção o "Capacete da Salvação". A Salvação de Jesus deve ficar mesmo em nossa mente o tempo todo. Temos que ter esta convicção dia após dia, e sempre examinar-mos para poder ter certeza que estamos andando conforme a vontade de Deus em nossas vidas.

Na semana que vem o Pastor Nilton vai concluir a mensagem das Dracmas. Já são dois posts aqui não é ?
Irmãos, se alguma destas dracmas se perdeu...vamos procurá-las !!!!!!!!
Que Deus nos abençoe.

Obama VS Bíblia

Este é o tempo de vigiarmos. As coisas têm se encaminhado para a última hora. São 23:00 Hrs amados, o noivo está chegando. Misericórdia Senhor.

21 de março de 2009

O dono do Jumento


Paz do Senhor amados e queridos amigos e irmãos em Cristo. Mais um capítulo que "roubei" do livro de Max Lucado que estou lendo. Vale a pena Ler, é demais.

Quando chegarmos ao lar celestial, sei o que quero fazer. Há alguém que desejo conhecer. Você irá adiante e conversará com Maria ou falará sobre doutrinas com Paulo. Eu me encontrarei com você logo a seguir. Mas antes, desejo conhecer o dono do jumentinho.Não sei seu nome nem com quem ele se parece. Só sei uma coisa: o que ele ofereceu. Ofereceu um jumentinho para Jesus no domingo em que ele entrou em Jerusalém."Ide à aldeia que aí está diante de vós e logo achareis presa uma jumenta e, com ela, um jumentinho. Desprendei-a e trazei-mos. E, se alguém vos disser alguma coisa, respondei-lhe que o Senhor precisa deles. E logo os enviará."

Quando todos nós chegarmos ao céu, quero visitar esse homem. Tenho algumas perguntas a lhe fazer.Como você sabia? Como sabia que era Jesus quem necessitava de um jumentinho? Você teve uma visão? Recebeu um telegrama? Apareceu um anjo em seu prato de lentilhas?Foi difícil entregar o jumentinho? Foi difícil oferecer algo útil para Jesus? Quero fazer perguntas desse tipo porque sinto dificuldades semelhantes. Às vezes gosto de preservar meus animais. Ás vezes, quando Deus deseja algo de mim, ajo como se não soubesse que ele necessita disso.Como você se sentiu? Como se sentiria ao ver Jesus montado no jumentinho que vivia em seu estábulo? Sentir-se-ia orgulhoso? Surpreso? Aborrecido?


Você sabia? Tinha idéia de que sua generosidade seria utilizada para um fim tão nobre? Já lhe havia ocorrido que Deus montaria em seu jumentinho? Sabia que os quatro autores dos evangelhos contariam sua história? Chegou a imaginar que quase dois milênios depois, um prega-dor curioso do sul do Texas estaria meditando altas horas da noite sobre sua atitude?Enquanto medito sobre a sua, penso também sobre a minha. As vezes tenho a impressão que Deus deseja que eu lhe ofereça algo e às vezes recuso-me a isso porque não tenho absoluta certeza, e então sinto-me mal por ter perdido uma oportunidade. Outras vezes sei que ele deseja algo de mim, mas não lhe ofereço porque sou muito egoísta. E outras vezes ainda, poucas vezes, atendo ao seu pedido e sinto-me honrado em oferecer um presente que seria usado para transportar Jesus de um lugar para outro. E mais: sempre me pergunto se minhas pequenas dádivas de hoje chegarão a fazer alguma diferença no cômputo geral.Talvez você também tenha essas dúvidas. Todos nós temos um jumentinho. Você e eu temos algo em nossa vida, que, se fosse devolvido a Deus, poderia, como o jumentinho, transportar Jesus e sua história ao longo da estrada. Talvez possa cantar, abraçar alguém, programar um computador, aprender a falar suaíle ou preencher um cheque.Seja lá o que for, é o seu jumentinho.

Seja lá o que for, seu jumentinho pertence a ele.Pertence a ele de verdade. Seus talentos pertencem a ele, e o jumentinho era dele. O texto original das instruções que Jesus deu a seus discípulos é prova disso: "Se alguém vos disser alguma coisa, respondei-lhe que o Senhor precisa deles."A linguagem utilizada por Jesus é a linguagem de alguém pertencente à realeza. Tratava-se de uma lei antiga que obrigava o cidadão a ceder ao rei qualquer objeto ou serviço que ele ou um de seus emissários solicitasse.

Ao fazer aquele pedido, Jesus está afirmando que é rei. Está falando como alguém que tem autoridade. Está dizendo que como rei ele tem direito a qualquer bem de seus súditos.Talvez Deus queira montar em seu jumentinho para atravessar os muros de outra cidade, outro país, outro coração. Você permitiria? Entregaria o jumentinho a ele? Ou hesitaria?O homem que deu o jumentinho a Jesus é apenas um da longa lista de pessoas que ofereceram coisas insignificantes a Deus. A Bíblia tem uma extensa galeria de doadores de jumentinhos. No céu deve haver um santuário para reverenciar coisas comuns que Deus utiliza de forma incomum.É um lugar que você não vai querer deixar de conhecer. Dê uma volta por ali e veja a corda de Raabe, o cesto de Paulo, a funda de Davi e a queixada utilizada por Sansão. Coloque a mão ao redor da vara que dividiu o mar ao meio e feriu a rocha. Cheire o bálsamo que suavizou a pele de Jesus e animou seu coração. Encoste a cabeça no mesmo manto sobre o qual Cristo descansou no barco e passe a mão ao longo da madeira lisa da manjedoura, macia como a pele de um bebê. Ou, então, coloque o ombro sob a pesada viga romana, tão grosseira quanto o beijo de um traidor.Não sei se todos esses objetos estarão lá. Mas tenho certeza de uma coisa — as pessoas que os utilizaram estarão.

Os corajosos: Raabe que abrigou o espião. Os irmãos que transportaram Paulo às escondidas.Os vencedores: Davi, atirando uma pedra com a funda. Sansão, golpeando com uma queixada. Moisés, levantando uma vara.Os benfeitores: Maria aos pés de Jesus. O que ela lhe ofereceu era caro, mas Maria sabia instintivamente que aquilo que Jesus ofereceria custaria muito mais.O discípulo anônimo no barco. Ele preparou uma cama no barco para que o Mestre pudesse descansar.E o estranho peregrino à beira da Via-Crúcis. Pelas informações que temos, ele sabia muito pouco. Sabia apenas que as costas açoitadas e ensangüentadas de Jesus estavam exaustas e que as suas eram fortes. Por isso, quando o soldado o apontou, ele se apresentou.Um grupo e tanto, não? Mordomos competentes que entenderam que seus bens pertenciam a Deus e os colocaram à sua disposição todas as vezes que precisou. Meeiros da vinha que sabiam quem era o legítimo dono. Estudantes leais que sabiam quem estava pagando suas mensalidades escolares

Eis um outro exemplo: Um professor de Escola Dominical do século passado que conduziu um vendedor de calçados a Cristo. O nome do professor você nunca ouviu: Kimball. O nome do vendedor de calçados que ele converteu você conhece: Dwight Moody.Moody tornou-se evangelista e exerceu grande influência na vida de um jovem pregador chamado Frederick B. Meyer. Meyer começou a pregar nas faculdades e, durante suas pregações, converteu J. Wilbur Chapman. Chapman passou a trabalhar com a Associação Cristã de Moços e organizou a ida de um ex-jogador de beisebol chamado Billy Sunday a Charlotte, Carolina do Norte, para realizar um reavivamento espiritual. Um grupo de líderes comunitários de Charlotte entusiasmou-se de tal maneira com o reavivamento que planejou outra campanha evangelística, convidando Mordecai Hamm para pregar na cidade. Durante essa campanha um jovem chamado Billy Graham entregou sua vida a Cristo.Será que o professor de Escola Dominical de Boston imaginava qual seria o resultado de sua conversa com o vendedor de calçados? Não, Mas da mesma forma que o dono do jumentinho, ele teve a oportunidade de ajudar Jesus a penetrar em outro coração.

Alguns anos atrás participei de uma campanha evangelística no Havaí. (Bem, alguém precisa visitar lugares desertos como esse!) Minha missão era bater de porta em porta e convidar o povo para nossas reuniões noturnas. A maioria das pessoas era gentil, porém não demonstrava muito interesse. Embora não nos tratassem com aspereza, não nos convidavam para entrar. Foi então que conheci uma senhora encantadora cujo nome só não foi mencionado na Bíblia porque ela nasceu dois mil anos depois.Não sei seu nome, mas lembro-me de sua presença — e de seus presentes.Era uma senhora delicada. Pequenina. Oriental. Ombros curvados pelos anos. Uma senhora de poucas posses que trabalhava como criada em um dos muitos hotéis daquela região litorânea. Ao saber que estávamos falando de Cristo ao povo, a senhora insistiu para que a visitássemos a fim de constatarmos como ela estava tentando influenciar suas colegas de trabalho. Entramos num cômodo de fundos. Ali havia uma mesa grande repleta de recortes de papéis. Cola. Tinta. Molduras de madeira.Porém, na maior parte do cômodo havia peças de madeira esculpidas no formato de um grande livro aberto.Ela nos disse que não podia ler, portanto seria difícil doutrinar alguém. Explicou que, pelo fato de receber um salário irrisório, não tinha condições de contribuir com dinheiro para o trabalho de evangelização. Aprendera essa arte em algum lugar e a estava utilizando para transmitir sua fé a seus amigos. O plano era simples. De um dos lados do livro de madeira ela colava uma fotografia Polaroid do amigo ou amiga. Do outro lado, colocava um versículo da Bíblia.Sua lógica? Todos adoravam ver suas próprias fotos. Quase todos os amigos daquela senhora eram pessoas humildes cujas casas tinham poucos enfeites. Ali estava uma maneira de pendurar um versículo bíblico na parede da casa onde pudessem vê-lo diariamente. Daria resultado? Nunca se sabe.Mas Deus sabe. Deus utiliza pequenas sementes para realizar grandes colheitas. É no lombo de jumentinhos que ele monta — não em cavalos garbosos ou carruagens — simples jumentinhos.Se eu tivesse feito perguntas à senhora havaiana, ela teria respondido: Ele sempre precisa de nós. Somos a sua boca. Somos as suas mãos." Posso ver a felicidade estampada em seu rosto, sentindo-se honrada porque seus singelos presentes foram escolhidos por um rei.Não foi necessário lhe perguntar: "É difícil? É difícil oferecer algo a Deus?" A resposta estava em seu sorriso.

E aquela última pergunta? Não, também não precisei fazê-la. "A senhora acha que daqui a dois mil anos..." Ela não tem meios de saber. O dono do jumentinho não tinha. Sansão não tinha. Moisés e Raabe não tinham. O vendedor de calçados não tinha, e nós também não temos. Nenhum plantador de sementes pequenas tem meios de saber qual será o resultado de sua colheita.Mas não se surpreenda se no céu, perto da funda de Davi, da vara de Moisés e da corda do jumentinho, você encontrar um livro de madeira com uma fotografia e um versículo.

18 de março de 2009

História Assembleia de Deus - Mundo e Santa Catarina

Estou já escrevendo Assembleia de Deus sem acento segundo a reforma ortográfica. Recebi um email sobre a história das Assembléia de Deus em Santa Catarina, e meu vô (único cristão da família) foi um dos primeiros a aceitar Jesus na região que hoje está entre Cambúriu e Tijucas. Então, para aumentar nossos conhecimentos históricos, segue nossa história.

Qualquer historiador que queira traçar a origem das Assembléias de Deus no Brasil terá que necessariamente voltar-se para o início do século e deter-se na citadíssima Rua Azusa, em Los Angeles, Califórnia, nos Estados Unidos.

Rua Azusa, Los Angeles, CA - EUABatismo em Águas, 1920 - Rua Azusa

Este foi o berço do avivamento pentecostal da atualidade. O movimento logo se espalhou pela América do Norte, atingindo dois jovens que haviam emigrado da Suécia: Daniel Berg e Gunnar Vingren.


Após se conhecerem em uma Convenção Pentecostal em Chicago, os dois operários suecos receberam de Deus uma chamada especial para disseminarem as boas novas do Evangelho em terras brasileiras.

Pr Daniel Berg e FamíliaPr Gunnar Vingren e Família

Partiram de New York a bordo do navio Clement e, após duas semanas de viagem, chegaram em Belém do Pará, precisamente no dia 19 de novembro de 1910.

Por um breve período congregaram-se com a comunidade batista de Belém, até que suas idéias pentecostais entraram em choque com a doutrina tradicional da igreja hospedeira. Foi assim que, no dia 18 de junho de 1911,os missionários Daniel e Gunnar, fundaram, à rua Siqueira Mendes nº 67, na cidade de Belém do Pará, a Igreja Evangélica Assembléia de Deus no Brasil.

Não há dúvidas de que o termo Assembléia de Deus está ligado às igrejas que nos Estados Unidos da América professavam a mesma doutrina pentecostal. Sobre isso, o irmão Manoel Rodrigues, um dos pioneiros de Belém do Pará, assim relata:
"Estou perfeitamente lembrado da primeira vez que se tocou neste assunto. Tínhamos saído de um culto na Vila Coroa(...). O irmão Vingren perguntou-nos que nome deveria dar-se à igreja, explicando que na América do Norte usavam o termo Assembléia de Deus ou Igreja Pentecostal. Todos os presentes concordaram que deveria ser Assembléia de Deus. Em 11 de janeiro de 1918 a denominação foi registrada oficialmente como pessoa jurídica com o nome Assembléia de Deus" (1).

Tendo Belém do Pará como uma espécie de quartel general, os dois líderes começaram a pregar e a enviar outros obreiros para diferentes lugares do país, iniciando pela região amazônica e avançando para o sul.

A expansão foi notável e sem paralelo na história eclesiástica. Finalmente, no ano de 1931 descortinava-se, no estado de Santa Catarina, uma nova página na biografia da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Você irá conhecer abaixo uma parte da história da Assembléia de Deus em SC, seu início.

HISTÓRIA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS SANTA CATARINA
ANDRÉ BERNARDINO, O PIONEIRO

Bernadino tinha um sonho: tornar-se padre Assim, com dezessete anos deixou a cidade de Itajaí com destino ao Rio de Janeiro para estudar com os Irmãos Maristas.

"Breve serei um respeitado sacerdote da igreja Católica", pensou o jovem rapaz ao pisar no pátio do Seminário. Porém, sua carreira teológica cedo começou a ruir. Após alguns meses de estudo envolveu-se negativamente com a vida noturna carioca. Fugia quase todas as noites em direção às escolas de samba e, em uma dessas experiências com a boemia, acabou contraindo tuberculose.

Quando os padres souberam da situação clínica do aluno catarinense, expulsaram-no do colégio. O que fazer? Para onde ir?

Com os dois pulmões já afetados pela doença, aceitou a sugestão de um colega para morar em um camarote do navio Boa Vista, de propriedade de um empresário joinvillense. A embarcação estava ancorada, para reforma, no porto do Rio de Janeiro e, temporariamente, havia se tornado numa espécie de alojamento para pessoas "sem teto".

Era o mês de agosto de 1930. Um dos operários do cais ouviu falar de uma igreja que "curava". Compadecido do jovem catarinense, entrou em contato com a Assembléia de Deus em São Cristovão e, dias depois, apareceria naquele porão de navio os irmãos Daniel Berg, Gunnar Vingren e Paulo Leivas Macalão.

Os missionários oraram pelo moribundo André que foi curado imediatamente. Levaram-no para as instalações do templo da Assembléia de Deus em São Cristóvão, onde permaneceu morando por sete meses.

Com a saúde milagrosamente restaurada e dando provas irrefutáveis de sua conversão, Bernardino passou a receber treinamento bíblico ministrado pelo pastor Vingren. Músico experiente, André tocava com habilidade vários instrumentos, enriquecendo os cultos em São Cristóvão.

Mesmo sabendo que seus pais não queriam ouvir falar do filho "herege", que havia abandonado a "Santa Igreja Católica", André decidiu retornar a Itajaí para visitar a família. No último culto que participou no Rio de Janeiro, Deus falou profeticamente dizendo que o usaria para dar início a uma grande obra evangelística.

Assim que chegou em Itajaí, foi recebido por uma tia que morava próximo ao cais do porto e, naquele mesmo dia, aquiesceu ao convite da tia descrente para realizar um culto Duas primas, curiosas para saberem como era uma "missa dos crentes", participaram também da reunião e ajudaram a cantar os hinos.

O irmão André Bernardino, após pedir permissão para fazer uma oração, abriu sua Bíblia no Evangelho de Marcos, capítulo dezesseis, e pregou um dos primeiros sermões pentecostais em terras catarinenses.

Neste culto duas pessoas tomaram a decisão de seguir a Jesus Cristo: Herculano e Cornélio. Começava então, a história das Assembléias de Deus em Santa Catarina, no dia 15 de março de 1931.

No seu relato à equipe organizadora da coletânea sobre o Jubileu de Ouro, o pastor Bernardino conta que:

"No outro dia pela manhã, o Sr. João Santana perguntou-me se poderia realizar outra 'reza', o que ficou marcado para aquela noite onde Deus salvou mais nove almas. Pouco tempo depois o irmão Santana ofereceu o terreno onde morava, dizendo que faria para ele uma pequena casa nos fundos. Na frente poderíamos construir um salão para as reuniões.

Assim, foi iniciado um mutirão para a abertura de uma rua que daria acesso ao referido terreno. Esta rua passou a chamar-se Rua Pentecostal (2).

O irmão André Bernardino da Silva foi ordenado pastor pelo missionário Gunnar Vingren em 3 de janeiro de 1932. Gunnar lhe havia dito: "Não deveria consagrá-lo ao ministério. Você ainda tem muito pouco tempo de conversão e é solteiro, mas devido a falta de obreiros vou separá-lo para o pastorado". Dois anos depois o pastor André se casou com uma jovem da igreja em Guaramirim e permaneceu trabalhando em nosso estado por doze anos. Em 1943 retornou definitivamente para o Rio de Janeiro.

Você irá conhecer abaixo uma parte da história da Assembléia de Deus de Joinville, apenas seu início.

17 de março de 2009

Benção = Livre para prosperar !

Paz do Senhor amados irmãos em Jesus Cristo.Minhas anotações do culto resultam neste resumo que aumenta o meu aprendizado. Deixe-me compartilhar isto com vocês.

Hoje vamos meditar sobre algo que é muito ouvido na igreja. Vamos meditar sobre benção. Você sabe oque é benção ?

Se você tivesse feito essa pergunta a Esdras ou Neemias, a resposta provavelmente seria curta e precisa: bênção é "a mão de Deus sobre nós." Ambos usam essa expressão cerca de nove vezes, falando da "boa", "bondosa" e "poderosa" mão de Deus. Desse modo, eles atingem o cerne da questão. Também poderíamos dizer: bênção significa "Deus está conosco!"


15.03.2009 Culto :
Sede - Blumenau

Pregação : Pastor Edson (São José-SC)


"Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo e para que, pela fé, nós recebamos a promessa do Espírito." Galátas 3.13-14


Veja bem, a benção que era de Abraão chegou até nós, por meio de Jesus Cristo.Os versículos 8 e 9 dizem :"Todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão."
Partindo do princípio que existem bençãos pré-estabelecidas para todos os que estão em Cristo, oque nos impede de tomar posse delas hoje ?

Dois motivos são comuns : 1) Pecado Individual 2)Ignorância

Veja que as bençãos são condicionais, se estivermos pecando contra Deus, não estamos em Jesus Cristo e logo não estamos debaixo destas bençãos.
E a ingorância é outro fator é ser ponderado. Muitos não sabem que são abençoados, e o inimigo se aproveita da falta de conhecimento.
Isso me faz lembrar a parábola do filho pródigo.Quando o filho volta para casa é feita uma festa para ele, o outro filho diz que estava tanto tempo ali na casa do Pai e nunca tinha sido feito nada para ele, veja oque o Pai respondeu (Lc 15.31). Tudo era dele, mas ele não tomava posse, era ignorante na casa do Pai.
Usufrua das bençãos que Deus te dá. Aproprie-se delas agora.
Mas quais as bençãos que Deus tem para mim ? Bem... o espaço do blog é limitado e não caberia todas aqui, mas então vamos ver as bençãos que foram discritas na pregação.
Abra sua Bíblia em Deuterônomio 28.

Olhe as condições que eu falei : "se ouvires a voz do Senhor, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje"...oque acontecerá se eu fizer isso ? Veja a resposta a seguir : "te exaltará sobre todas as nações da terra. E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do Senhor, teu Deus".
-Glória a Deus. Escrevendo sobre esta promessa de Deus sobre nós eu me alegro aqui amados.Então logo a seguir estão citadas as bençãos que o Senhor quer nos dar, veja oque foi citado :
V.03 - Na cidade e no campo... - Em todos os lugares que você estiver, a benção de Deus vai te acompanhar. É no trabalho ? Em casa ? Na rua ? ... em todos os lugares que você chegar.
V.04 - Bendito o fruto... - Tudo que você produzir será abençoado. Desde as suas criações como o próprio fruto do seu ventre. Seus filhos são abençoados através de você sabia ?
V.05 - Cesto e Amassadeira... - Tudo oque você usa para o seu trabalho, será abençoado e próspero. Fala de utensílios para seu trabalho, eles serão benção para você.
V.06 - Entrares e Saíres... - Tudo oque você começar, Deus vai te abençoar para você terminar.
V.07 - Inimigos diante de ti... - Quem poderá tocar em um abençoado do Senhor ?
V.13 - Cabeça e não cauda... - Sob a benção de Deus, você será cabeça e não cauda para ser pisado.
Amém ? Podemos tomar posse destas através de Jesus Cristo ?

Segue um pequeno esclarecimento sobre bençãos ainda :
No Antigo Testamento, em geral, a bênção refere-se a bem-estar terreno, segurança, poder, riqueza, descendência, etc., e essa bênção está expressamente condicionada à obediência aos mandamentos de Deus: "Eis que, hoje, eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: a bênção, quando cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos ordeno; a maldição, se não cumprirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, mas vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes" (Dt 11.26-28). Para Israel, o povo terreno de Deus, são prometidas bênçãos terrenas. A respeito, leia Gênesis 49.

A bênção para a Igreja de Jesus, o povo celestial de Deus, tem uma conotação celestial correspondente: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo" (Ef 1.3). A bênção de Deus – "Deus conosco" – tornou-se homem em Jesus Cristo! Por isso também podemos descrever a idéia de bênção como sendo "a ação de Deus com uma pessoa para atraí-la mais profundamente para Sua comunhão". Isso significa que a bênção nem sempre é o que desejamos, mas em todo caso se trata do que é bom e salutar para nós! Pois continua válido: "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Rm 8.28).

Por ser um embaixador em nome de Cristo, Paulo podia dizer: "E bem sei que, ao visitar-vos, irei na plenitude da bênção de Cristo" (Rm 15.29). Anunciando todo o desígnio de Deus, ele ministrava toda a bênção de Cristo. Quando crentes abençoam outras pessoas, isso significa que imploram a bênção de Deus sobre suas vidas. Quando crianças são abençoadas na igreja em nome de Jesus, nós as colocamos sob a bênção do Senhor e as entregamos à fidelidade e à direção de Deus. Ao abençoarmos o cálice e o pão na Ceia do Senhor, consagramos essas dádivas naturais da videira e do trigo para uso divino.

16 de março de 2009

Mudando como Isaías...

Paz do Senhor amigos e irmãos. Sempre anoto os assuntos e pregações dos cultos para aumentar o meu aprendizado, e decidi compartilhar com vocês este conteúdo. O arquivo deste blog é de Fevereiro de 2009 em diante.

12.03.2009
Culto : Sede
Pregação : Pastor Adão

Esta passagem de Isaías é muito conhecida, fala sobre a vocação de profeta de Isaías.Isaías era primo do Rei Uzias, logo usufruia de certo “status” e mantinha uma relação de dependência dEle. A história conta que Isaías pertencia à uma linhagem nobre e era um homem cultíssimo, aconselhando até, alguns reis na política externa de Judá.

"No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor sentado num trono alto e elevado. O seu manto se estendia pelo Templo inteiro, e em volta dele estavam serafins. Cada um deles tinha seis asas: com duas eles cobriam o rosto, com duas cobriam o corpo(pés) e com as outras duas voavam. Eles diziam em voz alta uns para os outros:
“Santo, santo, santo é o Senhor Todo-Poderoso;
a sua presença gloriosa enche o mundo inteiro!”
O barulho das vozes dos serafins fez tremer os alicerces do Templo, que foi ficando cheio de fumaça. Então eu disse:
– Ai de mim! Estou perdido! Pois os meus lábios são impuros, e moro no meio de um povo que também tem lábios impuros. E com os meus próprios olhos vi o Rei, o Senhor Todo-Poderoso!
Aí um dos serafins voou para mim, segurando com uma tenaz uma brasa que havia tirado do altar. Ele tocou a minha boca com a brasa e disse:
– Agora que esta brasa tocou os seus lábios, as suas culpas estão tiradas, e os seus pecados estão perdoados.
Em seguida, ouvi o Senhor dizer:
– Quem é que eu vou enviar? Quem será o nosso mensageiro?
Então respondi:
– Aqui estou eu. Envia-me a mim!" Isaías 6.1-9


Isaías depois da morte do Rei, não tinha mais privilégios. Estava só. Então buscou o Senhor. Nós somos assim também, quando tudo está bem muitas vezes não queremos saber de Deus, mas basta nossas estruturas serem abaladas que recorremos ao Senhor.
E Isaías buscando o Senhor teve uma visão do trono de Deus. Esta visão transformou a vida de Isaías para sempre.
Queremos uma transformação na nossa vida? Precisamos buscar o Senhor e aprender com esta passagem.

Isaías nesta visão viu seres celestiais. Serafins são anjos, na Bíblia que aparecem ao redor do trono de Deus o adorando de forma constante. Os Serafins tinham 6 asas. Com duas voavam, duas cobriam os pés(corpo) e duas cobriam o rosto. Pastor Adão falou algo sobre isso, para que púdessemos aprender algo.
-Cobrindo os pés : Estamos guardando nossos pés ? Ou seja, buscamos o Senhor, queremos que ele nos responda, mas estamos guardando onde estamos pisando ? Quais os lugares que frequentamos ? Em quais "rodas" nos assentamos ? Não podemos deixar de pensar em guardar nossa boca, nossos olhos e ouvidos. Olhos são entradas da alma, oque andamos assistindo por aí? Ou que andamos falando ? Oque andamos ouvidno ? Temos que guardar nossos pés, para alcançar a santidade e chegar até Deus.

-Cobrindo o rosto : Eles não queriam aparecer, não queriam ser reconhecidos. Queriam que o Senhor sim fosse reconhecido. Isso nos fala de exaltação, de querer ser mais que o próprio Deus.

Isaías buscou a Deus e viu o Trono de Deus. Assim ele olhou para si e viu como era pobre e pecador, imundo diante de Deus. Logo ele disse :Ai de mim ! Tenho os lábios impuros.
Isaías reconhecendo o seu pecado, suas falhas, reconhecendo que não era digno produziu uma mudança em sua vida. Logo o anjo pegou uma Brasa que havia tirado do altar e purificou os lábios de Isaías. Ele havia sido transformado.
Agora Isaías modificado, transformado podia OUVIR a Deus. "Em seguida, ouvi o Senhor dizer:". E ouvindo a Deus, se propõe a ser um porta voz das cousas do Alíssimo.
"– Aqui estou eu. Envia-me a mim!"

Se queremos ter esta capacidade, temos que dar estes passos que Isaías deu. Este foi o assunto comentado no culto. Porém vou colocar um sermão sobre o assunto a seguir com referências de versículos e pontos chaves para quem quiser se aprofundar.
Forte abraço a todos.

Isaías - 6 - 1 : 8 INTRODUÇÃO:

1. A visão ocorreu no ano em que morreu o Rei Usias, (742 a.C.). Este Rei era também conhecido por Azarias, 2 Reis 14.21, "E todo o povo de Judá tomou a Azarias, que já era de dezesseis anos, e o fizeram rei em lugar de Amazias, seu pai".

2. O Reino próspero de Uzias (52 anos), produziu em Judá um espírito de segurança e de estabilidade. Talvez a experiência da morte do Rei, produziu um senso de vazio ao profeta Isaías, o que o levou ao Templo em Busca de consolo.

3. No Templo, Isaías teve uma grande visão de Deus, que culminou com sua chamada profética. Vamos percorrer as fases desta visão e aplicá-la aos nossos dias:

I - A VISÃO DA SANTIDADE DE DEUS

Vs. 2-3, "2 Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam. 3 E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória".

1. Estes seres (Serafins) não aparecem em nenhum outro lugar nas Escrituras. Parece que são uma classe especial de anjos, como o são os Querubins.

2. Eles declaram que Deus é Santo por três vezes. Temos aqui uma grande revelação do caráter de Deus, a sua santidade. A idéia básica de Santidade é "separação", ou seja Deus está separado e acima de sua criação.

3. Em várias outras ocasiões em sua profecia, Isaías chama Deus de "O Santo de Israel":

Vs. 1.4, "Ai, nação pecadora, povo carregado de iniqüidade, descendência de malfeitores, filhos corruptores; deixaram ao Senhor, blasfemaram o Santo de Israel, voltaram para trás".

Vs. 5.19, "E dizem: Avie-se, e acabe a sua obra, para que a vejamos; e aproxime-se e venha o conselho do Santo de Israel, para que o conheçamos".

4. Tal aspecto do caráter de Deus, O coloca acima de sua criação, separado das coisas criadas:

Sl 60.6, "Deus falou na sua santidade; eu me regozijarei, repartirei a Siquém e medirei o vale de Sucote".

Sl 77.13, "O teu caminho, ó Deus, está no santuário. Quem é Deus tão grande como o nosso Deus?"

5. Quando Isaías viu a santidade de Deus, ele pode ver que precisava também santificar-se para ser usado no ministério profético.

II - VISÃO DA GLÓRIA DE DEUS

Vs. 3, "E clamavam uns aos outros, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória".

1. No texto são os Serafins que estão proclamando a "Glória de Deus". Veja a expressão: "Toda a terra está cheia de sua glória". Isaías podia perceber uma pequena demonstração desta glória ali dentro do Templo. O termo "Glória de Deus", vem do termo hebraico "Shekiná". Este termo descreve a "refulgente", a "magnitude" da manifestação divina.

2. A Glória de Deus, é manifestada:

a. Na Criação, Sl 19.1, "Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos".

b. No seu Julgamento, Ez 39.21, "E eu porei a minha glória entre os

gentios e todos os gentios verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado".

c. Na Redenção, Lc 2.13-14, "13 E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: 14 Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens".

3. Deus manifestou sua glória a servos especiais:

a. Moisés, Êx 3.1-5, "1 E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe. 2 E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia. 3 E Moisés disse: Agora me virarei para lá, e verei esta grande visão, porque a sarça

não se queima. 4 E vendo o Senhor que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. Respondeu ele: Eis-me aqui. 5 E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa".

b. Salomão, 2 Cr 7.1-3, "1 E acabando Salomão de orar, desceu o fogo do céu, e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do Senhor encheu a casa. 2 E os sacerdotes não podiam entrar na casa do Senhor, porque a glória do Senhor tinha enchido a casa do Senhor. 3 E todos os filhos de Israel vendo descer o fogo, e a glória do Senhor sobre a casa, encurvaram-se com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram e louvaram ao Senhor, dizendo: Porque ele é bom, porque a sua benignidade dura para sempre".

c. A João, Ap 1.10-17, "10 Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta, 11 Que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmírna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia. 12 E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro; 13 E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro. 14 E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo; 15 E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas. 16 E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece. 17 E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último".

4. Deus quer manifestar sua glória em nós, hoje!

III - A VISÃO DO PECADO

Vs. 5, "Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos".

1. Quando alguém contempla a glória de Deus e tem uma percepção de sua santidade, acaba vendo sua miserabilidade. Seu pecado aflora. Sua vida fica nua e patente aos olhos de Deus, Êx 33.20, "E disse mais: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face, e viverá".

2. Abraão, quando estava diante do Senhor, reconheceu a si mesmo, como sendo pó e cinza, Gn 18.27, "E respondeu Abraão dizendo: Eis que agora me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou pó e cinza".

3. Jó descreve a sua profunda consciência de culpa quando reconheceu a santidade e majestade de Deus, Jó 42.5-6, "5 Com o ouvir dos meus ouvidos ouvi, mas agora te vêem os meus olhos. 6 Por isso me abomino e me arrependo no pó e na cinza".

4. Deus quer mostrar a você nesta noite a sua glória. Prepare-se, pois seu corpo mortal não poderá resistir.

IV - A VISÃO DA PURIFICAÇÃO

Vs. 6-7, "6 Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; 7 E com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi tirada, e expiado o teu pecado".

1. Isaías não foi expulso da presença do Senhor em função de sua natureza pecaminosa. A mesma visão que lhe intensificou o sentido do seu estado pecaminoso, lhe deu a certeza de sua iniqüidade extirpada. Seu Pecado foi purificado.

2. Um daqueles Serafins tomou uma brasa viva do Altar e tocou nos seus lábios impuros, purificando-os com o fogo. O fogo é descrito na Palavra de Deus, como elemento purificador:

Nm 31.23, "Toda a coisa que pode resistir ao fogo, fareis passar pelo fogo, para que fique limpa, todavia se purificará com a água da purificação; mas tudo que não pode resistir ao fogo, fareis passar pela água".

Ml 3.1.3, "1 Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o Senhor dos Exércitos. 2 Mas quem suportará o dia da sua vinda? E quem subsistirá, quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão dos lavandeiros. 3 E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata; e purificará os filhos de Levi, e os refinará como ouro e como prata; então ao Senhor trarão oferta em justiça".

3. Para ser totalmente limpo, é preciso passar pelo batismo de fogo, Mt 3.11, "E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo".

V- A VISÃO DO SERVIÇO

Vs. 8, "Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim".

1. Devemos notar que o preparo para o serviço do Senhor, passa por várias fases em nossa vida cristã. Primeira precisamos estar com o Senhor, contemplar sua glória e santidade. Depois passamos pela fase do reconhecimento de que somos pecadores e precisamos ser tratados ao nível de nossos pecados. Depois vem o serviço.

2. Deus não "empurra" ninguém para a sua obra. Ele Chama: "A quem enviarei?". Sua chamada espera uma respostas: "Eis-me aqui, envia-me a mim". Porém o Senhor exige que aqueles que se engajam em sua obra, o façam com todo desprendimento possível:

Mt 4.18-22, "18 E Jesus, andando junto ao mar da Galiléia, viu a dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores; 19 E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. 20 Então eles, deixando logo as redes, seguiram-no. 21 E, adiantando-se dali, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, num barco com seu pai, Zebedeu, consertando as redes; 22 E chamou-os; eles, deixando imediatamente o barco e seu pai, seguiram-no".

Mt 9.9, "E Jesus, passando adiante dali, viu assentado na recebedoria um homem, chamado Mateus, e disse-lhe: Segue-me. E ele, levantando-se, o seguiu".

Lc 9.57-62, "57 E aconteceu que, indo eles pelo caminho, lhe disse um: Senhor, seguir-te-ei para onde quer que fores. 58 E disse-lhe Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça. 59 E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai. 60 Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus. 61 Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa. 62 E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus".

CONCLUSÃO

1. Deus quer lhe usar no seu serviço. Porém Ele não lhe usará na posição em que você está. É preciso que você:

a. Tenha um encontro com Deus no seu Altar e contemple sua glória e majestade,

b. Seu pecado precisa ser exposto diante dele, para ser purificado,

c. Agora você está pronto.

2. Entregue-se a Deus e esteja disposto a trabalhar para o seu serviço.





Símbolo "Azeite"


Paz do Senhor queridos amigos e leitores. Continuando nossa sessão de símbolos bíblicos, quero falar hoje de um símbolo muito usado e falado.

O azeite é um produto alimentar, usado como tempero, produzido a partir da azeitona, fruto advindo das oliveiras.

Na Bíblia, o azeite é utilizado como o símbolo da presença de Deus do Espírito Santo.

Em Gênesis, quando as chuvas do dilúvio tinham cessado e a arca ainda navegava sobre as águas, o patriarca Noé teria soltado uma pomba que retornou trazendo um ramo de oliveira.

Jacó, ao ter duas experiências sobrenaturais com Deus, em Betel, em ambas as vezes colocou no local uma coluna de pedra sobre a qual derramou azeite. (Gênesis 28:18 e 35:14)


Os judeus utilizavam o azeite nos seus sacrifícios e também como uma divina unção que era misturada com perfumes raros. Usava-se, portanto, o azeite na consagração dos sacerdotes (Êxodo 29:2-23; Levítico 6:15-21), no sacrifício diário (Êxodo 29:40), na purificação dos leprosos (Levítico 14:10-18 e 21:24-28), e no complemento do voto dos nazireus (Números 6:15).

Quando alguém apresentar ao Senhor uma oblação como oferta, a sua oblação será de flor de farinha; derramará sobre ela azeite, ajuntando também incenso. (Levítico 2:1)

Pode-se afirmar que a Torah previa três tipos de ofertas de manjares que deveriam ser acompanhadas com azeite e sem fermento, as quais eram: 1) flor de farinha com azeite e incenso; 2) bolos cozidos ou obreias (bolos muito finos) untadas com azeite; 3) grãos de cereais tostados com azeite e incenso. E, enquanto a ausência de fermento simbolizava a abstinência do pecado, o azeite representaria a presença de Deus. Parte das ofertas era então queimada no altar como sacrifício a Deus. Certas ofertas, contudo, deviam efetuar-se sem aquele óleo, como, por exemplo, as que eram feitas para expiação do pecado (Levítico 5:11) e por causa de ciúmes (Números 5:15).

Os judeus também empregavam o azeite para friccionar o corpo, depois do banho, ou antes de uma ocasião festiva, mas em tempo de luto, ou de alguma calamidade, abstinham-se de usá-lo.

O azeite também era reconhecido como um medicamento entre os judeus (Isaías 1:6; Marcos 6:13; Lucas 10:34 e Tiago 5:14).

Pode-se dizer que na cultura judaica o azeite indicava o sentimento de alegria, ao passo que a sua falta denunciava tristeza, ou humilhação.

Antes de sua prisão, Jesus passou momentos agonizando no Getsêmani, ou Jardim das Oliveiras, situado nos arredores da Jerusalém antiga. O nome Getsêmani significa lagar do azeite. A escolha do local trazia com exatidão o que estava acontecendo com Jesus momentos antes de ser crucificado, quando iria ser sacrificado e esmagado como uma azeitona, a fim de que a humanidade pudesse receber o Espírito Santo em seus corações.

13 de março de 2009

Instruí no caminho que ele deve andar...



Bom perdi as anotações da palavra de domingo a noite, onde foi comemorado o aniversário do Pastor Adão. Um teatro e homenagens na igreja pela sua vida e colaboração neste ministério. Mas sem problemas, vou postar a palavra do culto de ensino na terça e logo mais a do culto evangelístico de ontem. Esta semana tive pouco tempo para estar no blog, mas fim de semana começo a postar coisas novas. Que Deus abençoe a todos.

10.03.2009
Culto : Sede
Pregação : Pastor Adão

"Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele." Provérbios 22.6

Meditamos na terça feira sobre a educação sobre os filhos. A mensagem foi edificante pois falou de certa forma de como nós filhos devemos agir com nossos pais, e de como os pais devem educar os seus filhos.

1. INSTRUIR (Prov. 22:6). A palavra hebraica traduzida aqui por "instruir" significa INICIAR, COLOCAR NO CAMINHO CERTO, ou seja, EDUCAR, DANDO DIREÇÃO CERTA Á VIDA, AO CARÁTER, PARA QUE SAIBA ESCOLHER O CERTO. É interessante notar que os antigos israelitas usavam esta palavra para descrever o ATO DA PARTEIRA que assistia o parto de uma criancinha PELO QUAL ELA PASSAVA SUCO DE TÂMARA (fruto oriental de gosto azedo) NA BOCA (pelas gengivas) DO RECÉM – NASCIDO PARA CRIAR SEDE E DAR-LHE VONTADE DE MAMAR. Nós, os pais, temos a DIFÍCIL TAREFA de criar nos filhos o DESEJO de escolher e seguir a direção certa. Este processo de educação e treinamento levará TODOS OS VINTE ANOS QUE OS FILHOS NORMALMENTE PASSAM COM OS PAIS EM CASA



Salomão que era filho de Davi escreveu este livro, talvez por que Davi tinha sido um péssimo pai terrestre. Um homem segundo o coração de Deus, mas não foi um bom pai. Salomão sabia disso e escreveu algumas instruções para os pais.



Pastor Adão comentou que um dos erros que podemos cometer na educação de nossos filhos é, fazer todas as coisas para o filho. Eles se tornam frágeis e quando crescem não sabem fazer nada direito. Se tornam homens sem confiança nas coisas que fazem. Temos que ensinar os filhos, deixando que eles também façam algumas coisas dentro de nossa casa. Ensine a dobrar as camisas, estender a toalha, recolher a louça. Essas pequenas coisas servem de instrução.
Ajuda a amadurecer. Não podemos tratar nosso filho de 18 anos como um bebêzão. Temos que aceitar que nossos filhos crescem e começar a tratar de assuntos mais sérios com eles a medida que o tempo passa.

Definição da palavra "EDUCAR" DO DICIONÁRIO: "APERFEIÇOAR E DESENVOLVER as atividades físicas, intelectuais, e morais de; ensinar; adestrar".

Pastor Adão comentou alguns versículos que podemos encontrar, onde Salomão fala da educação de nossos filhos.

Pv 19:18 - "Castiga teu filho enquanto há esperança, mas para o matar não alçarás a tua alma."
Pv 13.24 - "O que retém a sua vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, a seu tempo, o castiga. "
Pv 22.15 - "A estultícia está ligada ao coração do menino, mas a vara da correção a afugentará dele."
Pv 23.13 -"Não retires a disciplina da criança, porque, fustigando-a com a vara, nem por isso morrerá."
Pv 29.15 - "A vara e a repreensão dão sabedoria, mas o rapaz entregue a si mesmo envergonha a sua mãe."
Pv 29.17 - "Castiga o teu filho, e te fará descansar e dará delícias à tua alma. "

Note que quando a Bíblia fala de "castigo" não significa que você deve espancar o seu filho. E nem aplicar castigos severos que venham a comprometer a integridade física ou psíquica do seu filho. A bíblia fala de repreensão, de correção, de enquanto ele for novo você mostrar que tem autoridade sobre ele.

Pastor Adão também comentou que existem vários pontos que devemos ensinar aos filhos, mas ele destacou 4 pontos como principais :

1) Ensina ele o Caminho da Salvação.
2) Ensina a ser Homem.
3) Ensina os dons Naturais.
4) Ensina sobre vida conjugal.

CORRIGIR (CORREÇÃO), CASTIGAR, DISCIPLINAR, todas essas palavras se vêem do mesmo verbo na língua hebraica original das escrituras do A.T. Significa: CORRIGIR, ADVERTIR, CASTIGAR, REPREENDER. Incluem a idéia tanto de advertência e ensino verbal, bem como do uso de castigo (vara). No caso de castigo, é mais para EDUCAR do que para PUNIR.

REPREENSÃO (Prov. 29:15). Esta palavra significa CONVENCER, REPREENDER, REVELAR, MANIFESTAR, CHAMAR A ATENÇÃO, JULGAR. O versículo citado liga A VARA E A REPREENSÃO VERBAL como maneira acertada de dar SABEDORIA aos filhos.

Segundo as definições dadas, quando um (a) filho (a) faz algo errado, deverá haver censura e reprovação manifestada imediatamente (sem demora). Os pais não deverão perguntar para o filho "POR QUE você fez isso ou aquilo". Ele fez porque é PECADOR. Os pais poderão manifestar censura DO SEU ATO DE REBELDIA; deverá ser repreendido de tal forma que ele sinta como é PECADO ser rebelde.

Descobrimos que a palavra DISCIPLINA OU EDUCAR contém a idéia tanto de castigar pela obediência, a fim de REVELAR SEU ERRO, como também ENSINAR AO (A) FILHO (A) O CERTO. Inclui a idéia de ENSINAR a criança a maneira certa de agir, ou seja, dar INSTRUÇÃO do certo e não apenas CASTIGO pelo errado.

No texto chave principal do nosso estudo, Prov. 22:6 é usada a palavra, INSTRUIR (Heb. CHANACH). A palavra MENINO (Heb. NAÁR) abrange a idade de uma criança desde a hora em que nasce até pelo menos os 20 anos de idade. José, aos 17 anos, filho de Jacó, é chamado por essa palavra no hebraico. Quando diz, "Instrui AO MENINO no caminho ..." significa que o treinamento constante dos pais é necessário durante todos os anos em que ele fique dentro da casa dos pais, ou seja, até casar-se.

Na construção da frase, "Instrui ao menino no caminho em que deve andar...", o sentido é, "Segundo o seu caminho APROPRIADO", ou seja, segundo seu jeito (inclinação) INDIVIDUAL. Significa que deverá ser treinado segundo SUA APTIDÃO PESSOAL, e segundo seu ESTÁGIO de crescimento. (Normalmente a vara, como forma de castigo, poderá ser "aposentada" quando a criança alcançar os 10 anos de idade, desde que ela FOI ADEQUADAMENTE TREINADA PELO USO DA MESMA DURANTE O PRIMEIRO ESTÁGIO!) "Conforme SEU PRÓPRIO CAMINHO" significa SEGUNDO SUA NATUREZA INDIVIDUAL (nem todo filho é igual em temperamento, dons e aptidões, etc). Ainda mais, a palavra "caminho" significa JORNADA, e portanto, Provérbios está a dizer, "TREINAR, EDUCAR, INCLINAR A CRIANÇA NA DIREÇÃO CERTA, EQUIPANDO-A para sua JORNADA DE VIDA".

Portanto, podemos concluir que o "instruir ao menino no caminho em que deve andar" será um PROCESSO LONGO E GRADATIVO, pelo qual o filho é ensinado a CEDER Á VONTADE DOS PAIS e educar até que esteja EM PERFEITA HARMONIA com os pontos de vista dele, e ACEITE POR ESCOLHA PRÓPRIA a vontade dos pais, e saiba TOMAR AS DECISÕES CERTAS POR VONTADE PRÓPRIA.

Os filhos devem aprender que a OBRDIÊNCIA AOS PAIS nunca será uma questão "aberta", que eles realmente não tem outra opção. A obediência para eles deverá se tornar SEU ESTILO DE VIDA. Os pais deverão averiguar que TODA ORDEM será obedecida, por mínima que seja. Se você, o (a) pai (mãe) achou importante dar a ordem, deverá verificar que é executada. Seja COERENTE, e reforce a ordem, obrigando a criança a conformar sua vontade com a dos pais, imediatamente, e sempre.

Às vezes das crianças quando pequenas, deixa de obedecer uma ordem dos pais, porque não a compreendeu. Verifique se a criança entendeu a ordem dada. Por exemplo, pode ser que não entendeu quando a mãe lhe disse, "Leve o cesto pequeno de lixo do quarto para fora, e despeje na lata grande". Será necessário, no caso, fazer uma demonstração para que a criança, mostrando-lhe como fazer o que lhe é mandado. Assegure-se da compreensão do filho para não o castigar por algo que deixou de fazer por não entender a ordem.
Muitas crianças aprendem a obedecer seus pais, e até os obedecer habitualmente, mas como garantir que PERMANECERÃO obedientes aquilo que é certo mesmo "quando envelhecerem"? A diferença entre os filhos que permanecem "no caminho" da obediência dependerá do MÉTODO empregado para lhes ensinar o caminho.

A "repreensão", ou seja, as explicações e os esclarecimentos deverão acompanhar o uso da vara; caso contrário, a disciplina não vai "pegar". A vara só, ou, por outro lado, a repreensão sozinha não resolverá! A disciplina severa sem a criança entender os "porquês" e "comos" apenas serve para endurecer a criança na sua rebeldia (a qual ficará escondida até a criança ficar mais velha). O interesse é a disciplina que assegura que o filho, uma vez crescido, e levando sua própria vida, acatará os princípios bíblicos e certos que lhe forem ensinados pelos pais.

Há mães que castigam o filho e depois, sem lhe dar carinho, ela ficará tratando-o com frieza durante dias. Se ele lhe perguntar porque ela assim o trata ela responderá, "Você já sabe!", quando na realidade ELE NÃO SABE!

Eis uma série de perguntas que podem ser abordadas com a criança "que tem idade para entendê-las, é claro!), na hora da disciplina, para que fique gravado na sua cabeça e no seu coração os "porquês" da disciplina (Adaptadas do livro, "Não deixe de corrigir seus filhos", por Bruce A. Ray):

1). "O que você fez?" (Não aceite uma resposta geral tal como, "Fiz o que não devia". Ele deverá ser ESPECÍFICO... "Eu bati no meu irmãozinho", pois se ele não estivar entendendo o que é que fez de errado, errará novamente)

2). "O que é que diz sobre isso que você fez?" Deixe que ele responda sozinho a essa pergunta, mas se não souber responder, ajude-o, sugerindo um versículo apropriado, ou um ensinamento que ele já ouviu da Palavra de Deus. Assim ele se conscientizará do fato que sua desobediência não foi contra você, senão contra a vontade de Deus. E ele verá que não é o PAI (mãe) que estiver julgando-o, senão o próprio Deus!

3). "O que é que eu, como pai, tenho que fazer então?" Sua resposta deverá ser, "me disciplinar, ou me castigar, ou usar a vara (o cinto) em mim, etc". Ele deverá assim se conscientizar da OBRIGAÇÃO que os pais tem DIANTE DE DEUS de discipliná-lo, e saber que se os pais não assim agirem, eles mesmos serão disciplinados por Deus! O filho deverá aprender que você aplica a vara como AGENTE DE DEUS, e não porque GOSTA DE USÁ-LA!

4). "Como você deverá fazer da própria vez?" Assim ele aprenderá como EVITAR A DISCIPLINA , fazendo o certo. Essa pergunta poderá ser feita depois de disciplinar o filho, e abraçá-lo.

As escrituras dizem que este ensinamento e treinamento deverá ser feito DIARIAMENTE, DILIGENTEMENTE tanto EM CASA COMO NAS REUNIÕES DA IGREJA DE JESUS CRISTO. As crianças que sabem ENTENDER deverão assistir as reuniões: Neem. 8:2-3. As criancinhas com mais de dois anos deverão ser TREINADAS a se sentarem QUIETAS E OUVIREM!
Por todos esses trechos se pode concluir que os pais cabe a tarefa de treinar e ensinar seus filhos DILIGENTEMENTE, com o resultado de que ELES por si, terão a vontade de fazer A VONTADE DOS SEUS PAIS.

Essas ordens e promessas não pertencem a um PAI INCRÉDULO que deseja impor sua vontade e seus desejos carnais e errados na sua esposa e nos seus filhos! Há necessidade de que os pais, para que esses princípios funcionem, SEJAM CRENTES verdadeiramente convertidos, e além disso, sejam comprometidos a honrar Cristo e sua obra como PROPRIEDADE da vida deles (Atos 16:30-31 ; Jos. 24:15).

Os pais crentes deverão dar o exemplo de COERÊNCIA na sua vida correta e consagrada (isso será mencionado mais adiante). Eles deverão conduzir seus filhos PARA CRISTO, para que estes, ao se converterem , adquiram a nova natureza de Deus em seus corações, a qual dará a disposição de serem obedientes. "Porei as MINHAS LEIS EM SEUS CORAÇÕES, e as escreverei em seus entendimentos..." (Heb. 10:16) Será muito mais fácil ensinar a obediência a filhos já convertidos e crentes!

9 de março de 2009

Carta de um Pai

"Roubei" este Post de minha amiga castelhana ! Em espanhol mas é uma benção, confiram.


http://mestizaenamor.blogspot.com/

Quem é esta ?




Fotos tiradas do site oficial da igreja
http://www.ieadblu.com

Um breve comentário: Sempre anotei na minha agenda os cultos que frequentei, temas, versículos chaves para estudar novamente em casa. Mas agora decidi fazer isso em forma de blog, para poder, quem sabe um dia compartilhar com outras pessoas. Se você foi ao culto esta semana, se quiser compartilhar a mensagem pregada, entre em contato através do blog para podermos publicar.

07.03.2009
Culto : Sede
Pregação : Pastor Nilton

"Quem é esta que aparece como a alva do dia, formosa como a lua, brilhante como o sol, formidável como um exército com bandeiras?" Cantares 6.10

Noite com uma enorme lua cheia no céu de Blumenau. Hoje está lindo e propício para mim escrever este post. Culto foi maravilhoso, houve batismo onde 132 pessoas decidiram cumprir um dos primeiros atos de nossa caminhada com Cristo. Desceram as águas sepultando o velho homem (Glória a Deus). Eu confesso que deixei uma lágrima escapar quando vi um senhor jovem de uns 70 anos descer as águas. Sempre há tempo, não é mesmo ?!

Sabemos que o livro de cantares ás vezes é interpretado de forma literal, ás vezes de forma figurada, mas pastor Nilton falou um pouco deste versículo.


Começa com uma pergunta : Quem é esta que aparece como a alva do dia ? É a igreja do Senhor Jesus Cristo. A igreja é a luz do mundo e o sal da terra. O dia que a igreja for tirada da terra o mundo apodrecerá. Onde a igreja chegou houve uma transformação, na própria história do mundo. Alva do dia, a igreja é a Luz mais forte.
A igreja foi chamada das trevas para a luz. Onde a igreja está, as trevas não podem prevalecer. A igreja é luz. Ela traz a luz. Ela é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito. A igreja invade as trevas da noite, ela dissipa as trevas. Ela é como o romper da alva. Nós somos filhos da luz. Somos filhos do dia.

Como a alva, a igreja aparece belamente, iluminando todas as coisas. As trevas são invadidas e vencidas pela luz. A escuridão vai fechando suas cortinas e a luz vai brilhando e ocupando todos os espaços. O mundo vivia mergulhado em densas trevas: filosóficas, morais e espirituais. As grandes transformações sociais foram resultado da presença da igreja de Cristo. Ela transformou desertos em jardins, prisões em palácios e onde havia escuridão ela chegou como a alva do dia. 1) A dignidade da mulher – A mulher era uma propriedade do pai e do marido – O evangelho anunciado pela igreja devolveu à mulher a dignidade que tinha na criação; 2) A dignidade das crianças – O pai tinha direito de vida e morte sobre o filho. Podia casá-lo, divorciá-lo, vendê-lo, escravizá-lo e até matá-lo. O evangelho proclamado pela igreja devolveu às crianças a sua dignidade. 3 ) A abolição da escravatura, as transformações sociais, as instituições filantrópicas – Todas essas mudanças foram resultado da presença da igreja e da pregação do evangelho.

Como a alva, a igreja traz o despertamento do sono
A noite é marcada pela escuridão e pelo sono. A noite é marcada pelo estado de insconciência. Mas quando a alva irrompe, acaba-se o tempo da sonolência. A alva traz em suas asas o tempo de acordar, de levantar-se, de agir. Onde a igreja chega as pessoas levantam-se do sono da morte. Onde a igreja chega ela anuncia: “Desperta ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos e Cristo te iluminará” (Ef 5:14).
A alva é o tempo de uma nova vida. O sono e o estado de inconsciência já passou. Há um senso de renovação e revigoramento com o amanhecer. Paulo diz: “Já é hora de vos despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto do que quando no princípio cremos. Vai alta a noite e vem chegando o dia. Deixemos, pois, as obras das trevas, e revistamo-nos das armas da luz. Andemos dignamente, como em pleno dia, não em orgias e bebedices, não em empudicícias e dissoluções, não em contendas e ciúmes; mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e nada disponhais para a carne, no tocante às suas concupiscências” (Rm 13:11-14).

Como a alva, a igreja traz refrigério
A noite pode ter sido escura, abafada, solitária e opressiva, depois de um dia escaldante, mas a manhã sempre traz uma brisa refrescante. A manhã é sempre um tempo de entusiasmo, de recomeço, de alegria. O romper da alva é ungido pelo orvalho do céu. É no romper da alva que os pássaros cantam, que as flores desabrocham. É pela manhã que Deus renova as suas misericórdias. A promessa é que o choro pode durar uma noite toda, mas a alegria vem pela manhã.
A igreja é como a alva. Ela traz luz na noite escura do sofrimento e do pecado. Ela proclama a possibilidade de um novo recomeço. A igreja é como o bálsamo do céu. Ela é instrumento de consolo, de alívio, de esperança. Onde quer que reine o desespero das trevas, a igreja aparece como a luz da manhã e abre as portas de um novo dia.

Como a alva, a presença da igreja no mundo, é a promessa e garantia de um novo e perfeito dia
A igreja é como a alva. No seu começo ela é pequena, mas à medida que ela vai crescendo e avançando, ela vai triunfando sobre as trevas e ela nos dando a garantia de que um dia pleno, cheio de Deus está para nascer. Breve estaremos com o Senhor no céu. Lá não haverá noite. Lá não precisaremos da luz do sol nem da lua. Lá vamos brilhar como o sol no firmamento. Lá vamos refletir a glória do Senhor. O Cordeiro é a lâmpada que vai brilhar eternamente sobre nós. Toda a eternidade será como um dia pleno e perfeito.


A igreja, como a lua, reflete a sua beleza inefável no mundo
Assim como os luminares da noite e do dia exercem um papel de indizível importância na terra, assim também a igreja é importante para o mundo. Se a igreja desaparecesse da terra, o mundo pereceria. A igreja é bela. Ela é a noiva do Cordeiro. Ela é uma diadema de glória na mão do Senhor. Nela está a glória do Senhor. Ela é a poesia de Deus. Jesus se deleita com a igreja como um jovem se alegra da sua noiva. Ela está vestida de vestiduras brancas, de linho fíníssimo. Ela é formosa como a luz. A beleza de Cristo resplandece na igreja e através da igreja. Ela reflete a beleza do amor de Deus, ela existencializa a beleza da graça de Deus no mundo. Ela se adorna dos atributos comunicáveis de Deus e revela a beleza de Cristo ao mundo. Ela é o corpo de Cristo em ação no mundo. O mundo vê Cristo através da igreja.
Como a lua tem inspirado poetas, cantores e tem sido inspiração para muitos, a igreja de Cristo tem também inspirado muitas pessoas e viverem para a glória de Deus, a cantar nas noites escurdas e a consagrarrem-se ao Senhor.

A igreja, como a lua, reflete a luz de Cristo no mundo
A lua não tem luz própria. Ela reflete a luz do sol. Cristo é o sol da justiça. Embora a luz da lua seja emprestada do sol, ela jamais fenece. Quem pode medir a importância da luz? A luz é símbolo da pureza, de vida, de direção, de fertilidade, de calor, de transformação. Sem a luz não poderíamos ver nenhuma beleza na terra. A lua ilumina a noite refletindo a luz do sol que está oculto aos olhos da noite. A lua brilha com a luz do sol, ela reflete o sol. Ela não tem luz em si mesma. Ela só brilha porque reflete a luz do sol. Assim também é com a igreja. Ela é chamada para refletir a luz de Cristo no mundo. Cristo é a verdadeira luz que vinda ao mundo ilumina a todo homem. A igreja só pode brilhar na medida em que ela reflete a luz de Cristo, na medida que ela se mantém em comunhão com Cristo.

A igreja, como a lua, passa por diversas fases
A lua passa por quatro fases distintas: nova, crecescente, cheia e minguante. Há momentos em que a igreja parece apagada na história, outras vezes ela está avançando como a fase minguante. Há tempos de avivamento em que ela brilha plenamente e também momentos de crise, quando parece passar pela fase minguante. Porém, a lua jamais deixa de seguir o seu curso e de cumprir a sua missão. Assim é a igreja. Ela pode passar por dificuldades, por crises, por lutas, mas ela é sempre vitoriosa. Ela passa por momentos de desânimo, mas logo depois ela começa a crescer e torna-se vigorosa.

A igreja, como a lua, é uma faxineira do mundo
A lua é que determina o processo das marés, do fluxo e refluxo das ondas. Não fosse a lua e os oceanos entupiriam as praias de lixo e a vida seria impossível na terra. A igreja é como a lua. A igreja tem um ministério de limpeza no mundo. Se a igreja fosse retirada do mundo ele apodreceria em seu pecado. A igreja é como o sal da terra. Ela impede a decomposição do mundo. A presença da igreja no mundo é purificadora.

O sol é símbolo de pureza, pois o fogo e o calor do sol a tudo depura
Embora a igreja ainda viva no mundo e lute contra o pecado, aos olhos de Deus, ela já está na glória, onde o pecado não entrará. Aos olhos de Deus a igreja já é pura. Aos olhos de Cristo a igreja já é sua noiva imaculada, sem mancha e nem ruga. Aos olhos de Cristo a sua igreja já está adornada para as bodas, pura como o sol.
O mundo olha para a igreja e ainda vê escuridão, ainda vê impurezas, mas o Senhor olha para a igreja e a vê resplandecente, a vê gloriosa, a vê pura como o sol. Porque a justiça do sol da justiça está sobre ela, a igreja é pura aos olhos de Deus. Ela já foi justificada. Agora nenhuma condenação há mais sobre ela. Ela é portadora da sua glória. Os justos brilharão como o sol no firmamento (Mt 13:43). Nós seremos como Cristo, pois os veremos como ele é. Quando Cristo que é a nossa vida se manifestar, então, nós apareceremos com ele em glória (1 Jo 3:2). Os cristãos devem ser puros como o sol em suas vidas, consciência e fé.
A igreja é o tabernáculo de Deus, que embora foi feita de acácia, mas é toda revestida com o ouro. Se acácia fala da nossa natureza falida, o ouro fala da glória de Deus. A acácia foi tragada pelo ouro, assim como a glória de Deus cobriu a nossa fraqueza.

Como o sol, a igreja traz luz e vida ao mundo
Quem pode definir a importância da luz? Sem luz não há vida. Sem a luz não poderíamos contemplar as belezas da criação de Deus. Sem luz a vida desapareceria. Sem luz a terra seria uma prisão. Se amanhã o sol não se levantasse como seria a terra? As máquinas não funcionariam. A agricultura cessaria sua obra. Os alimentos não seriam produzidos. Toda a vida animal e vegetal expiraria. Esta a importância da igreja no mundo. Sem a igreja no mundo, a sociedade seria um caos.
O sol produz o fenômeno da fotossíntese nas plantas. Sem a luz e o calor do sol não haveria vida nem vegetal nem animal. Assim, a presença da igreja produz vida e transformação espiritual no mundo. Onde a igreja está, aí ela transmite a vida de Deus, transmite calor, energia. A igreja é o corpo de Cristo em ação no mundo. Ela é o prolongamento da encarnação de Cristo na terra.

Como o sol, a igreja irradia luz e calor
A igreja é a luz do mundo. A igreja brilha como luzeiro no mundo. A igreja como a luz aponta direção, ilumina, aquece, purifica e traz calor às pessoas. Sem a presença da igreja o mundo estaria mergulhado em densas trevas. Sem a presença da igreja no mundo, reinaria a morte, o desespero, a confusão.

A igreja é um exército sob o comando do supremo general que é Cristo
A igreja sobre a terra é uma igreja militante. Cada crente é um soldado do exército de Deus, sob as ordens de Cristo, o comandante-em-chefe. Fomos chamados para lutar contra o diabo, o mundo e a carne. Fomos alistados para declarar guerra ao pecado, a toda sorte de ignorância, superstição, vício e imoralidade. Até o dia do triunfo final, devemos lutar para trazer pessoas, cativas pelo amor de Deus, aos pés do comandante Jesus Cristo. Nosso comandante já destronou o inimigo. Ele já pisou na cabeça do inimigo. Ele já desfez as obras do inimigo. Ele já triunfou sobre o inimigo e o expôs ao desprezo. Ser cristão é alistar-se no exército de Deus. Vida cristã não é um retiro espiritual nem uma colônia de férias. Ser cristão é entrar num combate sem trégua. Ser cristão é pertencer à tropa celestial. Ser cristão é viver sob as ordens de Cristo.
Ser cristão é ser submisso e obediente a Cristo. Não podemos lutar sem obedecer as normas. Não podemos entrar no combate sem nos submeter ao comandante em chefe que é Cristo.
A igreja é um exército com vários pelotões, guerreando em várias frentes, mas todos pela mesma causa, sob as ordens do mesmo comandante.

A igreja é um exército em marcha
A igreja não é um exército medroso e tímido como o exército de Saul que fugia diante do gigante Golias. A igreja é um exército que avança contra as portas do inferno e quebra os ferrolhos de bronze, arrancando vidas da potestade de Satanás para Deus, tirando vidas da casa do valente e do império das trevas. Jesus disse: “Eu edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16:18).
A igreja não bate em retirada. Ela avança sempre. Ela não teme a morte. Ela não teme perigos. Os soldados de Cristo não abandonam a luta. Quem abandona é porque nunca foi verdadeiro soldado. O soldado de Cristo nunca dá as costas para o inimigo. Na panóplia de Deus não existe proteção para as costas.

A igreja é um exército equipado para o combate
A igreja tem toda a armadura de Deus. Ela não luta com armas carnais, mas com armas espirituais, poderosas em Deus, para desfazer sofismas. Ela está equipa com o cinturão da verdade, com o escudo da fé, com o capacete da salvação, com as sandálias da preparação do evangelho, com a espada do Espírito e concentrada com toda oração.
A igreja não entra no combate confiada na sua força, mas é revestida com o poder de Deus.
A igreja não entra no combate sem saber contra quem está lutando. Ela não faz do aliado inimigo, nem do inimigo aliado. Ela declara guerra contra o diabo e suas hostes. Ela odeia o mal. Ela abomina o pecado. Ela é lugar de abrigo para os penitentes, mas um terror para as hostes da iniquidade.

A igreja é um exército vitorioso
A igreja é um exército conquistador. As suas bandeiras não estão enroladas, mas estão tremulando. O diabo treme quando a vê. Um crente piedoso é uma poderosa arma nas mãos de Deus. Um crente piedoso é um terror para o inferno: “Eu conheço a Jesus e sei quem é Paulo, mas vós quem sois” (Atos 19:15). A rainha da Escócia tinha mais medo das orações de John Knox do que dos exércitos da Inglaterra. A igreja vence o diabo, destrona o mal, triunfa sobre a iniquidade, vence o mundo com a sua fé e conquista os perdidos para Cristo. Ela saqueia o inferno. Ela é cooperadora com Deus na sua obra. Ela invade os antros do pecado. Ela leva a luz de Cristo na escuridão onde os homens se embriagam, adulteram e se corrompem. A igreja é ganhadora de almas, um exército vencedor.
Aigreja é imbatível. Os homens podem levar a igreja para as grades, para as prisões e até mesmo para a morte, mas nem o diabo, nem o mundo podem derrotar a igreja. Ela é mais do que vencedora em Cristo Jesus. A igreja vence o dragão pelo sangue do Cordeiro e palavra do testemenho. Com a morte, a igreja vence aquele que tem o poder da morte, porque prefere morrer do que negar o seu comandante.
A igreja é um terror para os inimigos de Deus. Ela é invencível. Ela é um terror para os que praticam o mal. Ela é como o seu comandante. Cristo é o libertador dos cativos, mas é o atormentador dos demônios. A ordem de Jesus aos demônios é: Saia ! O mal está sempre dizendo para a igreja como o endemoninhado disse para Jesus: deixem-nos sozinhos. Mas a igreja precisa confrontar o mal. Ela jamais pode deixar o mal sozinho. Ela não pode calar sua voz nem deixar de usar a espada do Espírito. A ordem da igreja é: Retira-te espírito imundo!
A igreja está chamando os eleitos de Deus nas trevas para a luz, da morte para vida, da escravidão para a liberdade, das fileiras do diabo para se alistarem no exército de Cristo. O exército de Cristo é como exército de Davi, formado de homens angustiados, endividados. Os soldados de Cristo são pecadores arruinados que se arrependem e são aceitos e se rendem ao Senhor. Cada convertido é um novo soldado alistado. Estar no exército de Cristo e amar o mundo é uma traição. Estar no exército e não empunhar as armas, é uma omissão covarde. Nossas bandeiras devem estar desfraldadas. Devemos avançar sempre. Nosso lema é vencer e vencer. Em breve a guerra vai acabar e então, reinaremos com Cristo para sempre!

Concluindo :
A igreja descrita por esse texto não é uma instituição, mas um organismo. Não é um prédio, é você. Você é a igreja. Você é a promessa de um tempo novo no seu lar, na sua escola, no seu trabalho. Você pode ser como o romper da alva onde Deus o colocou.
Você pode ser uma luz na escuridão da sua família. Você pode viver de maneira bonita e agradável a Deus e refletir a luz de Cristo, assim como a luz reflete a luz do sol.
Você pode ter uma vida pura como o sol e trazer calor e vida para o seu lar e para este mundo que está imerso em profundas trevas.
Você é um conquistador. Você é um guerreiro. Você está alistado para guerrear as guerras do Senhor. Jesus é comandante-em-chefe. Você precisa guerrear sob suas ordens, com as suas armas, obedecendo as suas estratégias e usando o seu poder. Você não é um derrotado, mas mais do que vencedor!